22 janeiro 2011

Atenuante

À noite minha cama
se enche de demônios,
e o choro de crianças não nascidas.

São césares, otelos, minotauros,
creontes, menelaus, jasões e midas.

Chegam de costas, como a saírem,
carregando as almas tortas
mancando atrás dos corpos.

São íncubos furiosos e antigos
de olhos másculos, músculos,
espartanos,
falos maiúsculos

e vem brandindo os rabos
e os remorsos

pra ter alento
nessa boca tântrica
e na doçura soberana
do meu dorso.

tenho o equilíbrio das forças
entre as cheetas
e os antílopes,
papoulas, carma dos lobos,
entre meus dedos de morgana

tenho o olhar dos destinados
às grandes revelações
e martírios
contrastando com a cara
de sacana

e a pele santeria
manuscrita em pena ígnea
que dissolve cianetos,
aleijões, incestos,

e faz das faltas deles
meros palimpsestos.

Quando amanheçe,
e peço aos céus,
que acabe logo com isso...

bem, eles se vão,
como a chegar,
quando repito,
como se fora em prece:

"ao menos uma vez
me mandem cristo".

(postagem de 11/08/09, agora com vídeo feito por Márcia Regina Medina)

12 comentários:

  1. Putz...muito bom o poema!!! Imagens lancinantes...de deixar boquiaberto!!! beijos!!!

    ResponderExcluir
  2. tania hannud adsuara23 de janeiro de 2011 16:17

    Parabéns, Flá Perez, seu polêmico poema é muito pungente e impactante! Sucesso. Muita benção. Tania.

    ResponderExcluir
  3. muito bom, magnífico, saber poético erudito, lembra-me Baudelaire o grande poeta maldito... honra-me com tua leitura aos meus versos

    ResponderExcluir
  4. Sua poesia e sua declamação dispensam comentários. Melhor ouvir você para entender.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelos dizeres atolados de sensibilidade....

    ResponderExcluir
  6. muito bem feito,e tocante,meu abraço forte

    ResponderExcluir
  7. Pluralidade imagética... pluralismo de impressões... vir.ação... vade retro todo ai que a beleza vem e farta... belíssimo, Flá!

    ResponderExcluir
  8. * Respoética:
    .

    Salvadora, Sonhadora, Mulher

    Descem dos céus os míticos senhores
    Os da terra seus velhos comensais
    Cada qual carregando os seus horrores
    Percorrendo os caminhos abissais

    Trazendo os apetites mais vorazes
    A saciar seus espíritos pagãos
    E suas carnes em fogaréu, tenazes
    Sem mirar-vos com seus olhos malsãos

    Estes são vossos lúbricos cultores
    Pesadelos vos dão vosso mister
    Ditador, trágicos, imperadores

    Todos têm direito à vossa cama
    Mas um santo é que sonha tal mulher
    Só não diz de verdade a quem mais ama.

    S. R. Tuppan

    .*.

    ResponderExcluir