28 fevereiro 2011

Quase Éter

Vontade doida de aninhar-me inteira nesse corpo quente
e adocicado,
sentindo o cheiro do animal de fogo
que mesmo cansado ainda está no cio.

E fincar morada
- como cravejei mordidas -
nessa ilha de cheiros onde o tempo para,
onde não há gestos de perigo ou mágoa
e são vagarosos...

Onde não há pressa.

Amor assim se faz a toda hora, e durante horas
se desfaz em gozo.

- talvez seja por isso que a preguiça ame
e ainda perdure desde a pré-história -.

4 comentários:

  1. charme nas cavernas
    ela o ama
    peludos

    ResponderExcluir
  2. É, parece mesmo que há no ar um cheiro de caça, alguns pelos chamuscados, almíscar, suores agridoces. A temporada de mata não tem prazo para acabar.
    É enquanto a vida durar.

    ResponderExcluir