22 maio 2010

Clamor de Guerrilha

Insuportável mesmo essa história
de crescei, multiplicai,

toda essa joça de procriar ao próximo
como a ti mesmo,
amar aos seus sobre todos os sonhos.

E eu?

Não me prive, por uns meros detalhes
da dor momentânea de ter você por uns tempos!

Meu caro:
nem tenho medo do calendário Maia,

mas finjo um fim próximo,
inexorável
(palavra cheia de empáfia)
que é para ter uma desculpa pronta,
indiscutível,
pelo comportamento impróprio,

para que eu tenha um álibi,
testemunha imparcial,
canalha:

"não estava em casa
quando o destempero veio à baila".

Se tudo não virar nada,
perdoa,
- ninguém sai incólume -

A urgência da onda que logo finda
e acredita em lendas,
não premedita as coisas:

Tsunamis, em geral ,
são contra a moral e os bons costumes
 
- viva o "que se foda"! -

2 comentários:

  1. e que se fodam os que nos fodem!!!

    amor...

    she

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    bjbjbj

    ResponderExcluir